Mercado Imobiliário

Apartamentos menores ganham cada vez mais destaque na capital paulista

Com os valores dos imóveis cada vez mais caros nas grandes cidades, os imóveis compactos, os chamados apertamentos, têm ganhado cada vez mais destaque na estratégia das construtoras. Aliada à demanda, principalmente, de casais ou solteiros fizeram com que a oferta de compactos aumentasse entre os lançamentos na capital. A venda costuma ser rápida e a localização também conta na hora de as construtoras escolherem por esse tipo de projeto.

Em média, os apartamentos compactos têm cerca de 30 metros quadrados, mas há casos de unidades com apenas 18 m² (Foto: Shutterstock)
Em média, os apartamentos compactos têm cerca de 30 metros quadrados, mas há casos de unidades com apenas 18 m² (Foto: Shutterstock)

“As novas gerações mudaram bastante. Antigamente, no mercado imobiliário, você tinha grandes apartamentos, com grandes áreas, sala de jantar para receber muitas pessoas; hoje isso já não é mais visto como o desejado. Os conceitos mudaram, são mais simples, e geram facilidade na vida cotidiana. Se formos fazer um comparativo, antigamente tínhamos o desktop como item de desejo quando falávamos em tecnologia. Hoje as pessoas querem ter o celular com tudo a mão, querem ter mobilidade. No nosso mercado o que acontece é similar: não mais o conceito de muitas vagas de garagem, plantas enormes de imóveis, etc. Acredito muito em conceitos como mobilidade, simplicidade, otimização de espaços, serviços compartilhados, tornar a vida mais simples e mais moderna. Nossa proposta é reinventar a cidade. Propor às pessoas que morem perto do trabalho, perto do lazer e que possam desfrutar da vida e não ficar desperdiçando o tempo no caos do trânsito, com horas de deslocamento”, diz Alexandre Frankel, CEO da Vitacon Incorporadora e Construtora.

Dentro deste conceito, os imóveis estão ficando cada vez menores. Em média, os apartamentos compactos têm cerca de 30 metros quadrados, mas há casos de unidades com apenas 18 m². “Em geral, são unidades produzidas para atender a novos perfis de consumidores que moram sozinhos ou que estão iniciando a vida a dois; ou à facilitação de deslocamento dentro das cidades, caso de executivos que moram perto do trabalho na semana (em um apartamento menor) e, nos fins de semana, moram com a família. Há, ainda, investidores que se interessam na aquisição desses apartamentos que possuem valores de investimentos pequenos para renda de locação”, diz Nelson Parisi Júnior, presidente da Rede Secovi de Imóveis.

Apesar de pequenos, se engana quem pensa que esses imóveis não têm todas as funcionalidades de uma unidade com tamanhos maiores. Há casos, inclusive, de apartamentos compactos com varanda gourmet. “Temos uma planta de 33m² em Osasco, que tem terraço gourmet, sala de jantar, sala de TV, quarto com banheiro. Neste caso, trata-se de um imóvel voltado para o Minha Casa, Minha Vida, porém, o fato é que esses apartamentos compactos podem ter todas as funcionalidades de um outro imóvel. Mo entanto, com o tamanho menor, mas bem divididos e para atender às necessidades do cliente”, afirma Dante Seferian, CEO da Danpris.

“O segredo de um apartamento compacto é o mobiliário e muito de nossa proposta vem, a partir de estudos, em barcos e mesmo nas moradias japonesas”, revela Frankel.

“Os compact homes atraem variados perfis de clientes. Temos desde investidores, que sabem que imóveis são um investimento seguro, até moradores de outras cidades que quando vêm a São Paulo, optam por ter um ponto fixo e bem localizado na cidade. Além disso, temos obviamente solteiros que preferem uma opção de apartamento menor, de alto padrão, mas também mais acessível. Como somos bastante flexíveis em opções de planta e personalização, temos também famílias morando em nossos compact homes, já que os apartamentos oferecem a flexibilidade de se adequarem a um padrão de studio, 1 ou 2 dormitórios, de acordo com as necessidades do cliente”, diz Flávia Matos, Marketing da Exto Incorporação e Construção.

A localização desses imóveis também têm aspecto importante. De acordo com especialistas, muitas vezes o cliente busca um imóvel em uma região de alto padrão, mas só consegue adquirir um apartamento compacto neste local. Por outro lado, têm aqueles que querem imóveis próximos a região mais central, com bom transporte público e com infraestrutura melhor. “É um público muito variado, que vai desde o alto padrão até as pessoas que querem morar perto da faculdade, por exemplo”, considera Seferian.

Além disso, há diversos benefícios ao se investir em um imóvel compacto. “O primeiro deles é o tíquete médio mais baixo, o que aumenta muito a quantidade de pessoas que teriam acesso à compra de um apartamento. A praticidade também é um fator relevante, já que um imóvel menor requer menos cuidados e manutenções; além disso, apesar de viver em um apartamento menor, nossos edifícios compactos são um verdadeiro clube: têm academia, piscinas, quadras, áreas de convivência, salões de festas, espaços gourmet, laundrys compartilhados e por aí vai”, afirma Flávia.

Escreva um comentário