Mercado Imobiliário

Como ficará o mercado de terrenos em SP no Plano Diretor?

Especialista: Mercado de Terrenos

Muitos profissionais da área imobiliária que atuam com negócios de terrenos estão questionando sobre o futuro deste setor, se ficará bom ou não, após o Plano Diretor recém-aprovado para a cidade de São Paulo.

Mercado de terrenos terá que reaprender (Foto: Shutterstock)
Mercado de terrenos terá que reaprender com  o Plano Diretor (Foto: Shutterstock)

Toda mudança reflete um novo aprendizado, principalmente quando falamos sobre novas diretrizes técnicas e jurídicas. E esse aprendizado não é voltado apenas aos próprios legisladores, mas principalmente da equipe de aprovação da Prefeitura Municipal, dos órgãos públicos e dos profissionais no setor, como arquitetos, engenheiros, corretores e os compradores de terrenos das empresas.

Acredito que ocorrerá um tempo de adaptação, por cerca de no mínimo de seis meses a 1 ano para um melhor entendimento, não só das questões técnicas, mas também para as questões comerciais, qual será o limite a ser pago em regiões onde foram beneficiadas pelo novo plano, como os eixos de transporte, onde se poderá construir até quatro vezes. Até quanto vão subir esses preços? Haverá especulação num primeiro momento? Os incorporadores vão querer pagar?

Obviamente, o mercado continuará comprador, teremos adaptações e migrações de locais que poderão surpreender, como o caso dos chamados “miolos de bairros”, onde num primeiro momento não será interessante devido o potencial construtivo ter sido limitado a 2 vezes. Neste caso, existindo reais aumentos dos preços finais dos imóveis, não pelo fato dos incorporadores almejarem mais lucro, mas porque o Plano Diretor impactará diretamente na composição direta dos preços.

Os proprietários de imóveis, como casas ou terrenos que tiveram valorizações absurdas nos últimos anos, poderão alguns continuar a ter surpresas positivas em certos locais onde foram beneficiados pelo Plano Diretor. Porém, em muitas localidades onde antes os proprietários queriam um valor “X”, a conta vai mostrar que esse valor, se estiver além da expectativa de mercado, não poderá ser praticado, não pelo fato que o incorporador não queira pagar esse valor, mas que ele não terá condições, literalmente, chamamos no nosso dia a dia, não fechará a conta.

No mercado imobiliário, principalmente na área de terrenos, as respostas para as mudanças ou as negociações não são tão rápidas, e no cenário atual, teremos que reaprender. Mas, chegaremos lá, o mercado imobiliário de São Paulo é forte e sempre será.

Escreva um comentário