Mercado Imobiliário

Como o corretor deve se relacionar nas redes sociais

As mídias sociais, em pouco tempo, revolucionaram a forma com a qual nos relacionamos. Tudo é imediato, rápido. As pessoas conseguem até mesmo saber se o destinatário recebeu e visualizou a mensagem enviada. E esses “mecanismos” não são apenas usados na vida pessoal. As empresas descobriram que pode ser muito positivo se relacionar virtualmente com o cliente para divulgar produtos e serviços. O corretor de imóveis também já se deu conta disso. Mas é preciso tomar cuidado para que as informações passadas aos clientes, utilizando Facebook, Twitter,Instagram e Whatsapp – para citar os mais conhecidos – não representem um “tiro no pé”.

Corretora utilizando as mídias sociais para se relacionar com os clientes (Foto: Shutterstock)
Corretora utilizando as mídias sociais para se relacionar com os clientes (Foto: Shutterstock)

“Vale usar todas as mídias para chegar ao cliente. A necessidade de falar com os consumidores é enorme e as redes sociais oferecem a rapidez para passar a informação. Tudo em tempo real”, observa o diretor de Comércio da Associação Comercial e Empresarial de São José do Rio Preto (Acirp), Jorge Luis de Souza.

“O whatsapp permite que sejam passados fotos, vídeos e informações dos produtos para os clientes. Eles ganham porque sempre estão por dentro das novidades. E ganha também quem está vendendo algo”.

Mas tudo na vida deve ser feito com parcimônia, adverte Souza. Se a quantidade de mensagens for grande, as pessoas deletam sem ler. E a empresa e o funcionário ficam “queimados”. O primeiro passo, antes de entrar no mundo digital para fazer contato com o cliente, é pedir autorização a ele para isso. “É importante também definir a periodicidade das mensagens. O contato feito uma vez por semana é o suficiente”.

A criatividade é igualmente decisiva para agradar e conquistar o cliente. Um vídeo diferente, por exemplo, chama a atenção e desperta a simpatia dos consumidores. “É preciso usar as ferramentas a nosso favor”, completa o diretor da Acirp.

Escreva um comentário