Mercado Imobiliário

Atleta Oscar Schmidt conta como ser um corretor de imóveis vencedor

Osccar Schmidt durante uma palestra em Balneário Camboriú (Foto: Lucas Gabriel Diniz)
Oscar Schmidt durante uma palestra em Balneário Camboriú (Foto: Lucas Gabriel Diniz)

Não há dúvidas sobre o talento e a persistência de Oscar Schmidt, 2,05m de altura, uma das maiores estrelas do basquete mundial. Nascido em 16 de fevereiro de 1958, em Natal, no Rio Grande do Norte, entrou em uma quadra pela primeira vez aos 13 anos, em Brasília, onde foi morar com a família. Na época, já media 1,85m.

Em sua longa trajetória, foi um dos três únicos jogadores de basquete a terem participado de cinco Olimpíadas, ao lado do porto-riquenho Teófilo da Cruz e do australiano Andrew Gaze, sendo que, nestas cinco competições, marcou nada menos que 1.093 pontos e, em três delas, foi o cestinha da competição. Ao longo de sua carreira, foram 49.737 pontos marcados.

Com toda a experiência de um grande atleta, a principal receita de Oscar para se tornar um vencedor é treinar, treinar e treinar e, quando estiver bem cansado, treinar mais um pouquinho.

Não é a toa que, na Seleção Brasileira, ele suou muito a camisa: era sempre o primeiro a chegar e o último a ir embora. Afinal, durante grande parte da sua carreira, além dos 1.000 arremessos que fazia fora do treino, só ia embora quando acertava 20 arremessos consecutivos de 3 pontos.

Além de ressaltar a importância da dedicação e da perseverança, Oscar falou para o ZAP Pro como motivar uma equipe de vendas de imóveis. Para ele, o fundamental é, acima de tudo, ser um exemplo de conduta e falar para a equipe somente aquilo que você faz de fato.

Na opinião dele, para atingir o sucesso profissional é preciso se preparar muito, buscando sempre evoluir. “Se não, chega alguém e te passa”, alerta. O atleta, que já fez 721 palestras motivacionais para mais de 70 empresas, lembra que algumas atitudes podem ser prejudiciais no ambiente de trabalho. “A arrogância, a prepotência e achar que sabe de tudo com certeza atrapalham. O melhor é se preparar e ser um exemplo para os outros profissionais”, conclui.

Escreva um comentário