Mercado Imobiliário

Conheça a vizinhança do imóvel para facilitar a sua negociação com o cliente

escolher-viz

Quando um cliente vai escolher um imóvel para morar, há questões que vão além da quantidade de quartos e o tamanho do metro quadrado. Um dos pontos importantes para garantir o sucesso nas vendas é saber tudo sobre o imóvel que será negociado, pois o cliente vai perguntar. Se você, corretor, souber os pontos fortes antes, como a distância do condomínio para estação de metrô, se o local é silencioso à noite ou se tem vagas fáceis na rua, isso vai ajudar (e muito) na hora de negociar.

Na imagem abaixo, você pode clicar nos pontos vermelhos e descobrir as principais dicas que um imóvel tem que ter, antes de negociar.

Veja se o bairro oferece comodidade e infraestrutura. Ter fácil acesso a vias principais e ao transporte público é um ponto que valoriza o imóvel e devem ser levados em consideração e vão pesar a seu favor na hora da negociação.

Visite o local durante o dia e a noite – Antecipe-se e visite o local do imóvel, à noite também. O cliente pode perguntar sobre segurança e barulho na rua, por exemplo. A luz da manhã pode mostrar o que não se vê quando está escuro. A movimentação da rua e estabelecimentos abertos dão uma ideia de como é o local durante o dia. Além disso, a visita neste horário também pode revelar se a casa recebe pouca luz do sol. Levantes os pontos positivos e anote para valorizar o imóvel. “À noite é possível observar se a rua é bem iluminada”, lembra o corretor de imóveis José Francisco Melo Altafini.

Aos finais de semana a vizinhança também pode mostrar outras características, já que muitos moradores estão em casa. Cheque os estabelecimentos presentes nas redondezas – Saber se tem banco, mercado, farmácia e padaria por perto também podem ajudar na decisão do seu cliente.

Confira se a vizinhança faz muito barulho – “Ter um hospital perto de casa é um ponto positivo. No entanto, o ideal é que ele esteja localizado a cerca de 2 km do imóvel, para evitar muita movimentação na porta de casa”, sugere Altafini. Analise e guarde a informação. Veja o tipo de cliente que tem e analise a forma de revelar esta informação na hora de negociar. Exemplo, se houver um casal com crianças pequenas, contar que tem um hospital próximo, pode ser favorável, para qualquer tipo de problema.

Converse com os vizinhos – Saber o que as pessoas que moram na área pensam sobre o local pode ser um bom indicativo. Busque entender quais são os problemas da vizinhança para repassar para os clientes, sem omitir, mas sem focar apenas neste ponto. Durante a conversa, é possível descobrir mais sobre a segurança e informações de trânsito, alagamento e outras questões importantes.

Preste atenção no barulho – Quem não suporta que música alta ou barulho de vizinhos invada o silêncio da casa, o recomendado por Altafini é passar um período mais longo dentro do imóvel antes de bater o martelo. “Se houver uma estação de trem por perto ou aeroporto, deve ser avaliado se o ruído do transporte irá ser algo incômodo no dia a dia”, ressalta o corretor. Se a vizinhança tem muitas crianças e o perfil do morador é mais tranquilo, morar em um local onde elas brincam perto da janela da casa ou apartamento pode ser frustrante. Já para os tipos de clientes que são pais e que procura um imóvel, este pode ser um ponto a favor.

Verifique se as ruas próximas têm vagas para as visitas estacionarem o carro –  Se o cliente é do tipo de que gosta de receber os amigos e a família em casa, é interessante verificar se há vagas na rua para que eles possam estacionar o carro.

Verifique se há acesso a meio de transportes – Mesmo quem tem carro na garagem, ter fácil acesso ao transporte público pode ser bastante benéfico. Confira quais são as linhas de ônibus, metrô e trem que servem a região para facilitar a negociação.

Veja as escolas perto do imóvel– Se seu cliente  tiver filhos pequenos ou tem a intenção de aumentar a família, vale destacar as opções de educação ao redor. Morar perto da escola do filho pode ser mais vantajoso do que residir perto do trabalho. Isto porque os adultos mudam de emprego com mais frequência que as crianças trocam de escola.

Feira de rua– Ter uma feira perto de casa pode ser um benefício, principalmente para as pessoas que não dirigem ou não têm carro. No entanto, para quem precisa tirar o automóvel da garagem, as barraquinhas podem se tornar um inconveniente semanal se a rua precisar ser fechada para que elas aconteçam.

 

Escreva um comentário