Mercado Imobiliário

Corretores podem fazer parte do Simples Nacional

Com a inclusão de corretores de imóveis no Simples Nacional, os profissionais autônomos passaram a ter alguns benefícios fiscais. Até o final de 2015, o corretor recebia como pessoa física e o imposto de renda poderia retirar grande parte de seus ganhos, chegando a até 27%.

Flávio Prando, vice-presidente de Intermediação Imobiliária e Marketing do Secovi-SP, diz que houve um diálogo entre o sindicato, entidades e o governo para que fosse negociada a redução da alíquota, como ocorreu com outros profissionais que já estavam incluídos no Supersimples. “O governo se convenceu e permitiu que o corretor pudesse se enquadrar na lei da micro e pequena empresa, cuja alíquota começa em 6% e tem crescimento gradativo no faturamento anual”, explica Prando.

Simples Nacional
Para estar na Simples Nacional o corretor precisa abrir uma micro empresa e pagar impostos (Foto: Shutterstock)

De acordo com o Supersimples, o imposto a pagar oscila entre 6% e 12%, de acordo com as vendas do corretor. “Isso resultou em um aumento da arrecadação, já que muitos profissionais estão dispostos a trabalhar dentro da formalidade”, diz Prando.

Sindicato pede cautela

O chanceler da universidade Corporativa dos Corretores de Imóveis, Alexandre Tirelli, diz se tratar de uma medida inócua, já que em muitos casos o corretor fica isento do Imposto de Renda. “Isso traz uma maior segurança para empresas que querem fugir do vínculo empregatício. É um bom negócio para regularizar a situação de imobiliárias que mantêm um corretor de forma irregular”, explica. Tirelli diz que o corretor deve ser contratado como profissional autônomo e seguir o que está descrito no Código Civil.

Veja qual a melhor maneira de se vestir e causar uma boa impressão

Qual é a melhor maneira para abordar um cliente?

Quais as exigências para um corretor ser incluído no Simples Nacional?

O corretor precisa ser credenciado e criar uma micro empresa, ou seja, passar de pessoa física para jurídica. Essa empresa irá se submeter ao Simples Nacional dependendo de sua arrecadação.

O segundo passo é o de fazer a inscrição digital na internet e constituir a empresa. Depois, é feito um registro no Creci (Conselho Regional de Corretores de Imóveis) e o corretor passa a emitir nota fiscal.

Segundo Flávio Prando, a única desvantagem são custos adicionais com um contador. “Quando uma pessoa física passa para pessoa jurídica, ela tem obrigações e um custo mensal. Para se inscrever no Cresci há também um custo anual. Mas ainda ressalta as vantagens, como os benefícios fiscais”, finaliza.

+ Gostou das dicas? Aproveite e deixe seu comentário!

+ Faça seu cadastro no ZAP Pro e receba as novidades!

+ Assista todos os vídeos

+ Confira a linha do tempo do setor imobiliário

+ Saiba o que você precisa para ser um bom corretor de imóveis

+ Conheça o guia completo para se tornar o melhor corretor de imóveis

+ Entenda como funciona a comissão para corretores

Escreva um comentário