Mercado Imobiliário

Dicas infalíveis para criar vídeos e fortalecer seu marketing imobiliário

Os vídeos podem ajudar (e muito), nos negócios imobiliários. Segundo Camilo Coutinho, 32 anos, que trabalha com vídeos online há nove anos, os vídeos vêm crescendo cada dia mais e isso se torna nítido em nossas timelines no Facebook, em nossos grupos de WhatsApp e até mesmo na maneira como estamos comprando hoje.

Corretora de imóveis cria vídeos dos imóveis à venda (Foto: Shutterstock)
Corretora de imóveis cria vídeos dos imóveis à venda (Foto: Shutterstock)

“Recentemente, um estudo de um grande varejista norte-americano apontou que 85% das pessoas que compram online buscam o vídeo do produto antes de finalizar a compra”, afirma Coutinho.

Para Coutinho, a grande dúvida nesse meio é quando fazer e quanto vai custar um vídeo para a minha empresa ou produto. “A resposta ideal para essas duas perguntas é agora. Isso mesmo, comece agora, antes de seu concorrente, e comece com o que você tem.”

Segundo ele, muita gente fica adiando começar a fazer vídeos, pois espera a câmera perfeita, o assunto perfeito e uma série de motivos para fazer um vídeo digno de um Oscar. “Esse é o caminho errado, pois milhões de horas de vídeos se espalham pelo WhatsApp e não têm nem roteiro, quem dirá iluminação, resolução e todos os infinitos motivos que a maioria das pessoas usa para adiar o início de sua estratégia de vendas com vídeos”, comenta.

No mercado imobiliário, assim como na maioria dos mercados, a dica infalível é testar, testar e testar. “Isso porque o seu produto muda. Uma casa com piscina pode ser ótima para quem é solteiro, assim como para quem tem filhos. O mercado muda: onde foram parar os imóveis com incríveis varandas gourmet, que eram sensação anos atrás? E principalmente as pessoas mudam: crescem, casam, se separam, compram para investir”, argumenta.

A dica é pensar no seu vídeo como uma estratégia contínua e não somente um vídeo que vai testar. “Pense nas principais dúvidas do seu cliente e faça uma série de cinco vídeos para respondê-las. Por exemplo: uma série de vídeos sobre investir em imóveis pode começar com um apresentando o mercado e seus atrativos. O segundo sobre como gerenciar mais de um imóvel e obter lucro; o terceiro sobre documentações, dados técnicos e burocráticos e, no último vídeo, você apresenta algumas estratégias de compra de imóveis para investimento (análise de bairro, de imóvel, de empreendimento). E durante esses vídeos você vai falar sobre os imóveis que estão em sua carteira, afinal, o seu objetivo é vender”, orienta.

Entre as partes mais importantes estão a apresentação inicial e a final, que podem ser decisivos para gerar uma maior empatia com o seu espectador. “Cansei de ver muito material bacana, mas que no final o apresentador fala um simples ‘tchau’ e não explica como e onde comprar e muito menos quanto custa aquele produto.”

Imagine que você teve todo o trabalho de fazer o vídeo, distribuir nas redes, cativar a audiência e, no momento em que ela está interessada no produto, você simplesmente fecha a conversa. Isso é uma péssima experiência para seu usuário. “Então, quando fizer um vídeo imobiliário, nunca se esqueça de se apresentar, dar suas credenciais e contatos para que o espectador sinta segurança de que está assistindo a alguém que sabe o que está falando”, recomenda.

Alguns cuidados técnicos também são indicados, como a iluminação. Evite filmar com o sol a pino do meio-dia, pois o excesso de luz pode prejudicar a gravação, estourando a imagem e deixando muitos pontos brancos. Tente agendar filmagens externas para o primeiro período da manhã em dias mais ensolarados. Em dias nublados, apesar de o céu ficar menos agradável aos olhos, temos uma iluminação mais homogênea, pois as nuvens funcionam como um imenso difusor de luz.

Faça testes no ambiente em diversos horários, mas nunca filme sem iluminação externa – softbox, luzes de iluminação de estúdio – após as 16h, pois a baixa intensidade de luz natural fará com que a sua câmera faça alguns ajustes para captar o mínimo de luz existente e isso vai criar uma granulação em seu vídeo.

“Lembre-se de que as pessoas buscam referências de suas compras na internet e o segundo local onde a maioria está buscando é no You Tube. Então, comece a criar vídeos para o canal do You Tube da sua imobiliária, ou o seu próprio canal como corretor, e desfrute dessa audiência que está ávida por conteúdo. Se isso não for o bastante, procure pelo nome de seus concorrentes no You Tube. Se eles já estiverem lá, ainda dá tempo de correr atrás, mas se não encontrar nada, seja você o primeiro a fincar a bandeira de vídeos no seu mercado imobiliário”, aconselha.

Coutinho finaliza orientando o corretor a fugir do óbvio. “Preocupe-se com as pessoas e sempre, mas sempre mesmo, teste novas linguagens. As pessoas não são cativadas por uma tecnologia X ou Y, elas compram mais porque essa tecnologia está vendendo muito mais do que uma função, está vendendo uma solução. Então, qual é a solução que você está filmando para seus atuais e futuros clientes?”

Escreva um comentário