Mercado Imobiliário

Região em torno do templo de Salomão tem preços estáveis

Embora muitos esperassem que houvesse uma valorização nos imóveis da região do templo de Salomão, suntuosa sede da Igreja Universal do Reino de Deus no bairro do Brás, em São Paulo, pelo menos por enquanto não houve aumento nos preços.

Segundo representantes da imobiliária, a inauguração do templo causou mais congestionamentos na região (Foto: Shutterstock)
Segundo representantes da imobiliária, a inauguração do templo causou mais congestionamentos na região (Foto: Divulgação)

Segundo a Viana Imóveis, que atua na região, eles não observaram diferença de valores após a construção da igreja, até porque a construção é algo local e não trouxe consigo benefícios como novas linhas de metrô, trem ou qualquer outro meio de transporte público que melhore a locomoção. Também não houve criação de ruas para comportar tal construção, nem mesmo alargamento de pistas de nenhuma via principal. Segundo representantes da imobiliária, a inauguração do templo causou mais congestionamentos na região.

A Viana Imóveis informa que os valores médios de locação são de R$ 1.500 para salas comerciais e de R$ 23 mil para galpões e não foram alterados após a construção.

Eles acreditam que os preços tendem a se manter estáveis, pois a economia estagnou e a expectativa é de baixo crescimento. No entanto, há a expectativa de que, com o tempo, surjam hotéis e lojas de departamento na região. Nesse aspecto, a construção do templo pode ter consequências semelhantes às que ocorreram em Aparecida do Norte por conta da Basílica.
Lá surgiram hotéis, lojas e camelôs. Também poderão surgir novas oportunidades de emprego para a população por conta do movimento de fieis.

Já a Imobiliária Catita informa que houve um pequeno aumento da procura por imóveis comerciais próximos ao Templo, mas os proprietários têm apresentado muitas exigências, entre elas o depósito de aluguéis antecipados, e isso afastou os inquilinos.

 

Veja os dados de lançamentos de 2009 a 2014 nos bairros que fazem parte da subprefeitura da Moóca, a qual pertencem Brás, Belém, Pari, Moóca, Água Rasa e Tatuapé. Em 2014, a variação do número de empreendimentos caiu 30%.

Escreva um comentário